Filadélfia, a Igreja do Amor Perfeito

Estudo Bíblico Baseado na Escola Bíblica Dominical da CPAD | 2º Trimestre de 2012 – Lição 8 | AD Belém – Setor 20 (Arujá/SP) – Congr. Pq. Rodrigo Barreto I | Jonas M. Olímpio

As ruínas de Filadélfia revelam a
religiosidade do seu passado;
porém, o seu presente está
precisando retornar ao primeiro
amor urgentemente

Texto Áureo

    Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele (1ª Jo 2:5).
Verdade Prática
    Amar não é suficiente. É urgente que o nosso amor seja perfeito como perfeito é o amor com que Deus nos amou.
Leitura Bíblica em Classe
    Apocalipse 3:7-13 – E ao anjo da igreja que está em Filadélfia[1] escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre: 8Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu
nome. 9Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás[2], aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados[3] a teus pés, e saibam que eu te amo. 10Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. 11Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. 12A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome. 13Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igreja.
As obras do passado podem ser
apagadas pela ação do tempo, mas
os nossos atos, sejam bons ou
ruins, jamais serão esquecidos.
Filadélfia sempre é lembrada por
seu amor, enquanto outras
igrejas, por suas falhas; por
isso, pensemos bem no que
estamos fazendo, porque de
nossas atitudes depende a
memória que nossos descendentes
terão de nós

Introdução

  •          A cidade de Filadélfia não tinha a importância e as riquezas de algumas outras cidades como, por exemplo, Éfeso e Laodicéia.
  •          Porém, o amor de sua igreja era tão grandioso que tinha poder para tirar forças da fraqueza.
  •          Mesmo com a pobreza que ela enfrentava nesse mundo passageiro, ela entesourava maravilhosos bens eternos.
  •          Seu amor era tão forte e verdadeiro que o seu Noivo o correspondia abrindo-lhe uma porta que ninguém podia fechar.
  •          O amor é uma poderosa chave que leva servos fiéis e sinceros do anonimato à grandes realizações.
  •          Amar é uma virtude que parte do próprio Deus; quando amamos incondicionalmente ao próximo estamos demonstrando que o nosso coração foi realmente transformado por Ele [1ª Jo 4:7,8 – Amados, amemo-nos uns aos outros, porque a caridade é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. 8Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é caridade.].
A urbanização se mistura à sua
história; dessa forma, a cidade
não perde suas características
originais

I – Filadélfia, a cidade do amor fraternal

1. A história de Filadélfia
  •          O rei Átalos Filadelfos II[4], de Pérgamo, fundou essa cidade no ano 189aC. com o objetivo de helenizar[5] aquela região que tinha como língua oficial o gálico[6].
  •          Filadélfia somente é mencionada duas vezes na Bíblia, no livro de Apocalipse; o significado de seu nome – philadelphos –  é Amor Fraternal, e esse mesmo Nome foi dado à várias outras cidades gregas.
  •          Hoje, pertencente à Turquia, Filadélfia é chamada de Alasehir.
  •          Sua localização geográfica é a 130 quilômetros ao leste de Izmir, a antiga cidade de Esmirna.
  •          Financeiramente, essa cidade não era tão importante, mas ela tinha uma grande riqueza espiritual que os seus cidadãos incrédulos não conheciam: havia ali um povo fiel orando por eles e, apesar de estarem vivendo sob domínio romano, viviam em paz não se preocupando com questões políticas, mas sim santificando sua vida a Deus [Hb 12:14 – Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor,].
Evangelizar e fundar igrejas numa
região dominada pelo paganismo não
é uma tarefa nada fácil; mas os
missionários da Igreja Primitiva
não olhavam para as circunstâncias,
eles pensavam nos resultados; por
isso sempre tinham êxito em suas
missões

2. A igreja em Filadélfia

  •          Assim como as outras igrejas da Ásia Menor, a igreja de Filadélfia também foi fundada pelo apóstolo Paulo ou por algum de seus companheiros.
  •          Não há muitas informações a respeito dela, mas a sua grande marca registrada é o seu fervoroso amor pelas almas.
  •          Entre as sete igrejas mencionadas no Apocalipse, essa foi a única que não recebeu nenhuma repreensão.
  •          Sua simplicidade, sua pobreza e seu pequeno tamanho não a impediram de ser a melhor entre todas as igrejas da época naquela região. Isso foi resultado de sua obediência e fidelidade [Mt 25:20,21 – Então, aproximou-se o que recebera cinco talentos[7] e trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que ganhei com eles. 21E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.].
Nessa carta endereçada à Filadélfia,
o Senhor Jesus fala de sua santidade;
santificação é uma das condições que
Ele requer de sua Igreja para que ela
alcance seu objetivo principal que é
a conquista da vida eterna

II – A identificação do Missivista

1. Jesus, o Santo de Deus
  •          Em Apocalipse 3:7, Ele apresentou-se à igreja de Filadélfia como o que é Santo, Verdadeiro e o que tem a chave da casa de Davi.
  •          Santidade é um de seus principais atributos.
  •          Ele sempre foi separado do pecado, mas jamais separado dos pecadores.
  •          Tudo o que temos, Ele nos deu por sua maravilhosa graça; e nada mais Ele requer de nós além de obediência, santidade e adoração.
  •          Sendo uma Igreja de Cristo, qual seria o conteúdo da carta que Ele poderia escrever para você?
  •          A sua santidade é tão poderosa e incontestável que até o inimigo a reconhece [Mc 1:23-25 – E estava na sinagoga deles um homem com um espírito imundo, o qual exclamou, dizendo: 24Ah! Que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus. 25E repreendeu-o Jesus, dizendo: Cala-te e sai dele.].
O Autor da carta lembra também
que Ele é verdadeiro; e essa é
outra virtude que Ele espera
alcançar naqueles que dizem
amar assim como Ele amou

2. Verdadeiro

  •          Conforme está escrito em João 14:6, Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida; sendo assim, não há outra maneira de se alcançar a salvação.
  •          Os irmãos de Filadélfia conheciam bem essa realidade e viviam caminhando em obediência à Palavra de verdade.
  •          Não sendo conformados com o pecado desse mundo, eles não se importavam com as dificuldades que enfrentavam para professar publicamente o nome de Cristo.
  •           Somente a verdade tem poder para libertar; e a Verdade que liberta verdadeiramente tem um nome: Jesus [Jo 8:31,32 – Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente, sereis meus discípulos 32e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.]!
Na missiva escrita por João,
o Grande Mestre também
mencionou a grande porta que
estava abrindo para aquela
congregação, a qual tinha uma
grande missão espiritual a
cumprir; nos dias atuais,
quando se fala de chaves e
portas só se pensa em
prosperidade material, como
se a nossa vida se resumisse
apenas nisso aqui

3. A chave da Casa de Davi

  •          Ter a chave da Casa de Davi[8] representava o mais alto símbolo de poder e autoridade espiritual.
  •          E esse título definia perfeitamente a pessoa de Jesus, porque foi Ele quem exerceu – e exerce – o tríplice ministério messiânico: profeta, sacerdote e rei.
  •          No Antigo Testamento, conforme o que está escrito em Isaias 22:20-22, essa chave foi entregue por Deus ao sacerdote Eliaquim[9].
  •          No Novo Testamento, sendo Jesus o portador dessa chave, Ele abriu para Filadélfia uma porta que ninguém podia fechar: a porta do crescimento espiritual e da expansão do Reino de Deus.
  •          Podemos ver isso como um cumprimento do que Ele disse em Mateus 18:18: “… edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;”.
  •          Essa promessa se cumpriu na igreja de Filadélfia porque ela foi fiel e amorosa; assim podemos entender que, para que ela também se cumpra na Igreja atual, é necessário que haja em cada um de nós fidelidade e amor.
  •          Todo o poder está nas mãos do Filho de Deus; e é Ele próprio quem outorga[10] à sua Igreja autoridade para realizar a missão que entregou em suas mãos [Mt 28:18-20 – E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. 19Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!]?
O amor, quando é limitado e
condicional, está muito longe
da perfeição. Quando dizemos
amar, mas não conseguimos agir
de acordo com o que a Palavra
ensina, nosso coração está
doente e precisa de um
tratamento urgente

III – Uma igreja amorosa, paciente e confessante

1. Amar é a maior das obras
  •          Aquela Igreja tinha uma grande riqueza que superava todos os bens materiais: o amor.
  •          Jesus não especificou quais eram as suas obras, mas deixou claro que ela estava cumprindo a sua vontade.
  •          O que aprendemos com Filadélfia, e também com outras igrejas, é que a verdadeira demonstração de amor de uma igreja está em sua preocupação com o próximo.
  •          Pode alguém dizer que tem o amor de Deus se não consegue exercer esse amor na prática [1ª Jo 4:20,21 – Se alguém diz: Eu amo a Deus e aborrece a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu? 21E dele temos este mandamento: que quem ama a Deus, ame também seu irmão.]?
Mesmo sendo frraca, a igreja de
Filadélfia alcançou a vitória;
a confiança no poder de Deus
nos leva a superar desafios tão
intransponíveis que estão acima
até mesmo da capacidade do
raciocínio humano

2. Força na fraqueza

  •          Filadélfia tinha pouca força, mas sua pequena capacidade não foi desculpa para não cumprir seus propósitos.
  •          Mesmo com suas fraquezas, ela guardou a Palavra, ou seja: foi fiel e obediente.
  •          Mesmo não sendo grande, ela não temeu aos opositores do cristianismo e assim não negou o nome de Jesus.
  •          Mesmo sendo pobre e desconhecida, ela levou riqueza espiritual aos pecadores dando-lhes conhecimento para a salvação; dessa maneira, ela também se enriqueceu sendo reconhecida diante de Deus.
  •          Ser crente não é viver protegido num lugar intocável e rodeado de bênçãos, mas sim ter fé para entender que o Senhor está ao seu lado te fortalecendo mais e mais a cada adversidade [2ª Co 12:9,10 – E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. 10Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando estou fraco, então, sou forte.].
Os crentes daquela igreja jamais
desistiram de cumprir o chamado de
Deus. Não há como chegar ao topo se
olhar para baixo e temer a queda

3. Amorosa perseverança

  •          Os cruéis imperadores romanos não conseguiram intimidar os crentes de Filadélfia para fazê-la negar o nome de Jesus.
  •          Assim como na igreja de Esmirna, havia no meio da igreja de Filadélfia, um grupo de pessoas considerado por Jesus como sinagoga de Satanás;
  •          Eram hipócritas fanáticos pela lei mosaica[11] que, sob o pretexto de cumprir a Lei, tentavam anular a graça conquistada através do sacrifício de Cristo na cruz.
  •          Os falsos mestres estavam causando grandes problemas, porém, eles próprios haveriam de reconhecer que aquela Igreja era fiel e verdadeira; o Senhor cumpriria a sua justiça fazendo-os adorar prostrados aos seus pés, para saberem que Ele a ama.
  •          Servir a Deus é mais do que freqüentar uma igreja, pois para manter-se fiel é necessário ter firmeza naquilo que se crê, dar bom testemunho, buscar forças para suportar os momentos difíceis e praticar o amor [1ª Co 16:13,14 – Vigiai, estai firmes na fé, portai-vos varonilmente[12] e fortalecei-vos. 14Todas as vossas coisas sejam feitas com caridade.].
Os sinais estão se cumprindo, mas
muitos continuam dormindo no
maligno sono da incredulidade, do
comodismo e da ignorância em
relação à importância do
conhecimento da Palavra de Deus

IV – Filadélfia nos últimos dias

1. A iminência da volta de Jesus
  •          Enquanto outras igrejas como, por exemplo, Laodicéia, pregavam a prosperidade material somente pensando no tempo presente, Filadélfia mantinha sua mensagem escatológica[13], pois estava preparada para a volta do Senhor Jesus, o qual a alertava para a brevidade de sua vinda.
  •          Certamente, aqueles irmãos não receberam essas palavras com tristeza ou preocupação porque eles sabiam que estavam cumprindo verdadeiramente a vontade de Deus.
  •          Para o crente preparado, ouvir falar sobre o arrebatamento é motivo de grande prazer e paz no coração; mas, para o crente desmantelado, essas palavras causam enorme desconforto e perturbação interior. Você tem medo da morte?
  •          Não há como saber o dia de sua volta e nem também o dia de nossa ida individual; por isso, é preciso viver cada momento de nossa vida como se fosse o último [Mc 13:33-37 – Olhai, vigiai e orai, porque não sabeis quando chegará o tempo. 34É como se um homem, partindo para fora da terra, deixasse a sua casa, e desse autoridade aos seus servos, e a cada um, a sua obra, e mandasse ao porteiro que vigiasse. 35Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o senhor da casa; se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã, 36para que, vindo de improviso, não vos ache dormindo. 37E as coisas que vos digo digo-as a todos: Vigiai.]!
Apesar de o Anticristo ainda não
estar no poder, o seu espírito já
opera sobre esse mundo, inclusive
dentro da igreja; por isso,
cuidado, pois nem todos os que
professam o nome de Cristo provém
realmente de Deus!

2. A Grande Tribulação

  •          Pois apesar de aquela ser uma época de grandes aflições trazidas pelas perseguições romanas, as maiores dificuldades enfrentadas por Filadélfia não eram externas, mas sim internas com alguns falsos crentes;
  •          Mas ela era agradável aos olhos de Deus, e Ele prometeu livrá-la de maiores sofrimentos.
  •          Podemos entender essa Palavra como uma profecia para os crentes fiéis da Igreja atual; aqueles que perseverarem firmemente serão arrebatados e não sofrerão as terríveis angústias da Grande Tribulação[14].
  •          Muitos estão preocupados em resolver questões políticas porque temem que a situação social piore; mas, os conhecedores da Palavra sabem que as profecias hão de se cumprir e a sua maior preocupação é resolver questões espirituais [Ef 6:11-13 – Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo; 12porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados[15], contra as potestades[16], contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes[17] espirituais da maldade, nos lugares celestiais. 13Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes.].
Para podermos herdar a coroa de
glória, o nosso Salvador
precisou usar uma coroa de
espinhos; o preço foi alto, e
muitos estão desconsiderando
esse valor buscando apenas as
coroas corruptíveis desse mundo

3. A coroa de glória

  •          Aquela Igreja já havia sido aprovada por Deus, mas isso não dava a ela o direito de achar que sua vitória já estava totalmente garantida; pois o Senhor a exortou a vigiar: “… guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.”.
  •          Se eles não permanecessem firmes no mesmo propósito em que estavam perseverando desde o começo, corriam o sério risco de se tornarem mais uma igreja do amor esquecido, assim como seus irmãos da congregação de Éfeso.
  •          O problema de muitos crentes não é a falta de fé ou de compromisso na Obra, mas sim o fato de achar que já chegaram no topo de sua vida espiritual e que tudo o que conquistaram não possa ser perdido.
  •          Mas há dois tipos de “coroas” que se pode conquistar: a material e a espiritual: Por qual delas você tem se esforçado tanto em suas lutas, pela temporal ou pela eterna [1ª Co 9:24-27 – Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. 25E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível. 26Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. 27Antes, subjugo[18] o meu corpo e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.]?
Uma Igreja que realmente tenha o
amor perfeito não se limita a
alimentar os famintos, mas dá-lhes
oportunidade de obterem uma vida
vitoriosa, mostrando-lhes o Caminho
para encontrarem o seu próprio
alimento

Conclusão

  •          Fidelidade é a palavra-chave para aqueles que querem ser reconhecidos por Deus como seus filhos.
  •          Em Apocalipse 3:12, para a igreja de Filadélfia Jesus prometeu – não à todos, mas aos que vencessem -, em outras palavras, que lhes daria, além da salvação, um grande galardão.
  •          O pastor daquela igreja, certamente, estava muito feliz em ver que o trabalho que ele fazia com tanto amor aqui nessa terra estava dando excelentes frutos e era confirmado pelo Senhor. Que isso seja uma grande lição para que todos nós reflitamos se estamos fazendo com sinceridade a Obra que nos foi confiada e se é verdadeiro o amor que sentimos por Deus, pelos irmãos e pelo próximo.
  •          O teu amor é perfeito? Então tente imaginar em até que nível ele pode chegar [2ª Co 12:15 – Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado.].
Jonas Martins Olímpio

Embora tenha crescido, a antiga
cidade de Filadélfia, mesmo não
sendo de maioria cristã, mantém
suas características primitivas de
simplicidade; assim deve também
ser o crente: mesmo que passe por
algumas mudanças ao longo do tempo,
jamais deve perder as qualidades que
o identifiquem como servo de Deus

[1]Filadélfia: Antiga cidade da Lídia, foi fundada por Átalos Filadelfos II, rei de Pérgamo, no ano 189aC. Hoje tem o nome de Alasehir e está localizada na Turquia. Ela foi mencionada no terceiro capítulo do livro de Apocalipse, da Bíblia, no trecho conhecido como “Cartas às sete igrejas do Apocalipse”. Filadélfia significa: Amor Fraternal (é uma duplicidade da palavra amor na língua grega).

[2]Sinagoga de Satanás: Essa expressão aparece duas vezes na Bíblia (Ap 2:9; 3:9). Sinagoga é um lugar aonde os judeus se reúnem para finalidades religiosas. Mas alguns judeus, opondo-se ao evangelho, tornaram-se um centro promotor de perseguição, planejando ali as acusações que fariam contra os cristãos às autoridades. A carta do Apocalipse não deixa claro se essa expressão se refere à grupos de judeus opositores dentro da igreja ou fora dela.
[3]Prostrado: Lançado de bruços no chão.
[4]Átalos Filadelfos II:  (220aC – 138aC) Foi um rei de Pérgamo, da dinastia atálida. A dinastia atálida começou com o eunuco Filetero, que governava Pérgamo a comando de Lisímaco, mas foi forçado a se rebelar por causa das intrigas de Arsínoe, esposa de Lisímaco. Filetero foi sucedido por seu sobrinho Eumenes I, filho de Eumenes, irmão de Filetero. Eumenes I foi sucedido por seu primo, Átalo I, filho de Átalo, o irmão mais jovem de Filetero. A mãe de Átalo I era Antióquida, filha de Aqueu. Átalo I teve quatro filhos com Apolonis, uma mulher de Cízico: Eumenes II, Átalo II, Filetero e Ateneu; Eumenes II sucedeu a Átalo I. Eumenes II casou-se com Estratonice, filha de Ariarate IV, rei da Capadócia, e eles foram os pais de Átalo III. Eumenes II enviou Átalo II e outros irmãos como embaixadores a Roma, durante sua disputa com Pharnaces. Quando Pharnaces atacou, Átalo e seu irmão voltaram a Pérgamo. Enquanto Átalo se preparava para a batalha, aliado a Ariarates, rei da Capadócia, chegaram legados de Roma para fazer a paz, e Átalo foi enviado aos romanos. Quando Eumenes II morreu, por ser Átalo III muito jovem, Átalo II tornou-se guardião do sobrinho e regente. Átalo II auxiliou Demétrio I Sóter (filho de Seleuco IV) em sua luta contra Alexandre Balas (filho de Antíoco IV Epifânio), no trono do Império Selêucida e foi um aliado dos romanos na luta contra o falso Filipe. Em uma expedição à Trácia, ele derrotou e capturou Diegylis, rei dos Caeni. Prúsias II atacou Átalo, rei do Pérgamo, mas foi obrigado pelo Senado Romano a restituir o território capturado e pagar uma multa. Prúsias enviou seu filho Nicomedes II para Roma, para tentar evitar pagar a dívida com Pérgamo, mas resolveu matar Nicomedes, quando este estava em Roma, para que seus filhos de um segundo casamento o sucedessem. Átalo II destruiu Prúsias II ao incitar seu filho Nicomedes II a se rebelar contra o pai. Átalo II viveu até uma idade avançada, e governou por vinte anos, deixando o reino para seu sobrinho Átalo III, de quem ele era guardião.
[5]Helenizar: Tornar helênico (induzir pessoas de uma determinada religião a adotarem o padrão de comportamento e a cultura grega; o termo grego hellenizein significa “falar grego”, “viver como os gregos”).
[6]Gálico: Gaulês; relativo à Gália (O termo Gália é usado para referir, tanto ao moderno território francês, quanto a antiga região povoada pelos Gauleses (que era, no entanto, um pouco mais vasta que a moderna França), e que constituiu uma província do Império Romano.).
[7]Talento: O talento de ouro ou prata era a unidade de moeda romana para grandes quantidades de dinheiro. Ele foi introduzido na Grécia Antiga e depois adaptado para o sistema monetário romano. Um talento era igual a 60 minas, que, por sua vez eram equivalentes a 100 dracmas. Sabendo que uma dracma era igual a 4,5 a 6 gramas de ouro ou prata, um talento significava entre 27 a 36 quilos de metal. Estudiosos calculam que um talento hoje valeria no mínimo 1300 dólares (cerca de dois mil reais). Espiritualmente, os talentos representam os dons que o Espírito Santo nos concede e, na linguagem popular expressa as habilidades especiais de uma pessoa; era um termo muito usado pelos romanos para elogiar uma pessoa de valor.
[8]Casa de Davi: Descendência de Davi. Essa era uma designação muito comum que os profetas da Bíblia davam à linhagem , aos descendentes ou a família do rei Davi.
[9]Eliaquim: Significa “Deus Ergue” ou “Deus Levanta”. Filho do sumo sacerdote Hilquias, administrador da casa e bens de Ezequias.
[10]Outorgar: Aprovar, concordar, consentir. Conceder.
[11]Lei mosaica: A Lei de Deus entregue por Moisés ao povo de Israel.
[12]Varonilmente:  Agir de forma varonil: como varão, como homem.
[13]Escatológico: Referente à escatologia (Doutrina do destino último do homem (morte, ressurreição, juízo final) e do mundo (estado futuro). Estudo sobre as últimas coisas.).
[14]Grande Tribulação: Termo bíblico que descreve o período aflitivo que precede o arrebatamento da Igreja e antecede o Juízo Final. Após o arrebatamento, haverá um período de sete anos de sofrimento: os primeiros três anos e meio são denominados de “A Tribulação” e os outros três anos e meio de “A Grande Tribulação”, pois aí a perseguição será muito mais intensa contra os cristãos que não negarem sua fé. Nesse período, o mundo inteiro estará sob o domínio do Anticristo. Esse acontecimento foi mencionado pelo profeta Daniel no capítulo 9 de seu livro; essa será a última das setenta semanas, a qual ele relata no versículo 27.
[15]Principado: Dignidade de príncipe. Território cujo governo pertence a um príncipe ou a uma princesa.
[16]Potestade: Potência, força, poder. A divindade suprema, segundo a religião. Potentado.
[17]Hoste: Tropa, exército beligerante, corpo de exército. Bando, chusma, multidão.
[18]Subjugar: Por sob o jugo. Colocar sob domínio.

Estudo Bíblico Baseado na Escola Bíblica Dominical da CPAD | 2º Trimestre de 2012 – Lição 8 | AD Belém – Setor 20 (Arujá/SP) – Congr. Pq. Rodrigo Barreto I | Jonas M. Olímpio

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s