A Prosperidade dos Bem-aventurados

Estudo Bíblico baseado na Escola Bíblica Dominical da CPAD 
1º Trimestre de 2012 – Lição 6
Aula ministrada por mim na AD Belém – Setor 20 (Arujá/SP) – Pq. Rodrigo Barreto I
Jonas Martins Olímpio

O conhecimento da Palavra de Deus
é a base principal para se ter uma
vida bem-aventurada

Texto Áureo

    O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração (Lc 4:18),
Verdade Prática
    A verdadeira prosperidade não reside no acúmulo de bens materiais, mas se encontra na abundância dos bens espirituais que a graça de nosso Senhor Jesus cristo nos proporciona.
Leitura Bíblica em Classe
    Mt 5:1-12 – E Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se,
aproximaram-se dele os seus discípulos; 2E, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo: 3Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus; 4Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; 5Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; 6Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; 7Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia; 8Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus; 9Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus; 10Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; 11Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. 12Exultai[1] e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão[2] nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.
Bem-aventurados são aqueles
que entendem que o valor da
verdadeira prosperidade é viver
sob a graça de Deus
Introdução
  •          Os princípios ensinados por Jesus nas bem-aventuranças são os mesmos que fundamentaram a Lei e os profetas;
  •          Jesus não mudou os mandamentos, Ele simplesmente os cumpriu demonstrando o seu amor sem a dureza da Lei;
  •          Em cada uma das bem-aventuranças Ele destacou a importância das riquezas espirituais em relação às materiais;
  •          Com certeza essas afirmações escandalizaram os fariseus e os escribas porque eles valorizavam muito mais a Lei formalizada na letra[3] do que do que o verdadeiro sentido espiritual dos mandamentos divinos entregues por Moisés;
  •          Esses princípios cristãos ensinados por Jesus, também conhecidos como “O Sermão do Monte[4]”, devem ser bem analisados por nós e melhor  comparados às mensagens que andam sendo pregadas nos púlpitos das igrejas de um modo geral;
  •          Se nos prendermos à Lei sem o conhecimento da graça, agiremos como os sacerdotes de Jerusalém nos tempos de Jesus, ou seja: condenaremos sem perdão àqueles que acharmos que não estão vivendo corretamente dentro dos padrões de fé e comportamento que deveriam ser observados nos templos: a aparência através dos usos e costumes, e não o zelo pela sã doutrina, teria mais valor do que a busca por discernimento[5] espiritual e conhecimento da Palavra para saber o que é de Deus e o que não é;
  •          Aonde não há valorização do conhecimento, sempre existe um sério risco de que aqueles que digam ser fiéis, estarem “servindo a Deus” em troca de bênçãos  e não em busca da salvação e com o objetivo de adorá-lo verdadeiramente;
  •          Para ser um crente realmente bem-aventurado é necessário saber em que consiste a verdadeira prosperidade;
  •          Muito bem aventurados são aqueles que fazem o que Deus está mandando [Lc 4:19 – A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor.]!

O conhecimento e a obediência
aos mandamentos divinos nos
transformam em bem-aventurados
servos do Senhor libertos da
opressão do maligno
I – O fundamento das bem-aventuranças
1. O significado das bem-aventuranças
  •          Bem-aventurado é uma expressão originada da palavra latina beatus, que originou o termo beatitude;
  •          O vocábulo usado por Mateus é makarios, o qual seu significado tem o sentido de felicidadealegria divina e perfeita;
  •          Na mitologia[6] somente os deuses gregos eram considerados como bem-aventurados. Segundo a crença dos gregos, apenas os deuses eram felizes;
  •          Já no Salmo 1:1, o vocábulo esher é traduzido como quão felizes são;
  •          Bem-aventurado, portanto, significa feliz aos olhos de Deus por amar intensamente ao Senhor;
  •          Na literatura grega essa palavra era usada para se referir à prosperidade material;
  •          Na literatura hebraica essa palavra era usada para se referir à condição de bem-estar espiritual com Deus;
  •          Essa condição de bem-estar espiritual com Deus é a que foi mantida por Jesus nas vezes em que usou essa expressão;
  •          A nossa bem-aventurança começa no fato de termos sido perdoados pelo Senhor [Rm 4:7,8 – Bem-aventurados aqueles cujas maldades são perdoadas, E cujos pecados são cobertos. 8Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa  o pecado.].
A pobreza de espírito é o que nos
leva a compreender o quanto somos
frágeis e dependentes de Deus
2. Bem-aventurados os pobres (Mt 5:3)
  •          A pobreza, no Sermão da Montanha, não é encarada como carência material, mas sim como necessidade da alma;
  •          Realmente pobre é aquele que está longe de Deus;
  •          A pobreza de espírito aqui pode ser definida como uma condição de humildade. Refere-se à pessoa que não tem um ego[7] elevado, que não é soberba[8];
  •          Os pobres são considerados bem-aventurados quando desejam fervorosamente um relacionamento mais profundo com o Senhor;
  •          Esse desejo mais profundo é muito bem expresso pelo salmista no Salmo 42 que usou termos como:
a)        “Como o cervo[9] brama[10] pelas correntes das águas, assim suspira a minha alma por ti, ó Deus!”;
b)        “A minha alma tem sede do Deus vivo;”;
c)         “Quando entrarei e me apresentarei diante da face de Deus?”;
d)        “… dentro de mim derramo a minha alma;”;
e)        “Espera em Deus, pois ainda o louvarei na salvação da sua presença.”.
  •          Você também tem esse desejo ardendo dentro do teu coração? Então siga o exemplo do salmista!
  •          A maior riqueza para um filho é a alegria de estar na Casa do Pai [Sl 122:1 – Alegrei-me quando me disseram: Vamos á casa do Senhor.].
As lágrimas de um crente são
como os cânticos de um pássaro:
por mais que pareçam tristes,
transmitem alegria, paz, amor, fé
e esperança
3. Bem-aventurados os que choram (Mt 5:4)
  •          O choro de origem espiritual pode ser tanto externo quanto interno, ou seja: muitas vezes nossos sentimentos não se manifestam fisicamente, mas sim internamente entre nós e Deus. Apenas pessoas mais emotivas[11] derramam lágrimas com facilidade;
  •          O choro do crente bem-aventurado não é causado pelo sofrimento nas dificuldades da vida, pois ele vem do profundo da alma e não das dores do corpo e do coração;
  •          As razões que podem levar o servo de Deus a esse choro são as seguintes:
a)      O desejo de alcançar mais comunhão com o Senhor;
b)      A alegria por sentir a presença e o poder do Espírito Santo;
c)       O lamento pelas almas que se perdem;
d)      A sensação de vitória quando uma alma é salva;
e)      O privilégio de ouvir a voz de Deus.
  •          E, se pelas circunstâncias da vida, chegarmos a chorar por alguma adversidade[12] difícil de suportar, Deus logo nos consola dando-nos da sua alegria;
  •          Você tem conseguido chorar em seu coração pela miséria alheia[13] [Ne 1:2,3 – E disseram-me: Os restantes, que ficaram do cativeiro, lá na província[14] estão em grande miséria e desprezo; e o muro de Jerusalém fendido[15] e as suas portas queimadas a fogo. 3E sucedeu que, ouvindo eu estas palavras, assentei-me e chorei, e lamentei por alguns dias; e estive jejuando e orando perante o Deus dos céus.]?
A falta do espírito de mansidão
corrói o coração e interrompe a
ligação da alma com Deus,
transformando-o num ser
rancoroso, vazio, sem esperança
e totalmente infeliz
II – A bem-aventurança da mansidão e da misericórdia
1. Bem-aventurados os mansos (Mt 5:5)
  •          Ser manso é ser submisso à vontade de Deus mesmo quando isso venha a contrariar os seus interesses pessoais;
  •          Isso não pode ser considerado como uma atitude piegas[16], porque é uma submissão voluntária e consciente à vontade divina;
  •          O manso não procura vingança, mas confia na justiça de Deus;
  •          Aquele que não se deixa levar pelo ódio e não desobedece ao Senhor vive em verdadeira prosperidade;
  •          O auto-controle e a aceitação da vontade divina são riquezas que muitas pessoas realmente não têm, por mais que se julguem superiores;
  •          “Herdar a terra” aqui representa a grande promessa espiritual de descansarmos no Reino Celestial;
  •          Agir com mansidão é uma das características básicas daqueles que cumprem a lei de Cristo [Gl 6:1,2 – Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão; olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado. 2Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo.].
A única justiça em que nós podemos
realmente esperar é a divina: pois
tanto para recompensar quanto
para castigar, ela é infalível!
2. Bem-aventurados os que tem fome e sede de justiça (Mt 5:6)
  •          Quem tem a prosperidade da bem-aventurança possui um forte desejo pela justiça de Deus e a busca persistentemente;
  •          O verdadeiro crente sabe que a plena justiça só será vivida quando não mais estivermos aqui nessa terra;
  •          Todas as injustiças dessa vida terrena serão julgadas por Deus, por isso nossa preocupação não deve ser em consertar todos os erros que vemos, mas sim cuidarmos para não errarmos também, e assim acabarmos sendo alvos  da rígida e infalível justiça do alto que a nenhum culpado deixa impune;
  •          Quem realmente quer que seja feita justiça em sua vida, não deve agir com suas próprias mãos para que Deus venha a trabalhar da forma dEle [Tg 1:19,20  – Portanto, meus amados irmãos, todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. 20Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus.].

Sendo uma conseqüência do amor,
a misericórdia é a qualidade mais
evidente do caráter de Deus, pois é
através dela que nós, sem merecimento
algum, alcançamos a salvação
3. Bem-aventurados os misericordiosos (Mt 5:10,11)
  •          A expressão bem-aventurados os misericordiosos, no léxico[17] grego de Strong[18], é traduzida como boa vontade ao miserável e ao aflito associada ao desejo de ajudá-los;
  •          A palavra misericórdia aparece freqüentemente no Novo Testamento também com o sentido de perdão;
  •           Uma pessoa bem-aventurada tanto tem disposição para perdoar quanto para ajudar não importa a quem;
  •          Em Tiago 1:27 está escrito que o amparo aos pobres e o cuidado contra o pecado são a religião pura e imaculada[19] para com Deus;
  •          Você consegue perdoar aqueles que te afrontam e esquecer as mágoas do passado?
  •          O próprio Jesus nos ensina que a misericórdia vale mais do que o sacrifício e ainda nos exorta ao perdão [Mt 1:27 – Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes.].

A maldade e a malícia nos rodeiam
o tempo todo; felizes aqueles que
conseguem manter a sua pureza e
permanecer inocente diante de
tantas dificuldades e tentações: isso
também é dádiva de Deus para
aqueles que o buscam
III – A bem-aventurança da pureza e da aflição
1. Bem-aventurados os limpos de coração (Mt 5:8)
  •          Ter um coração puro não é seguir rituais religiosos e manter uma aparente obediência. Ter um coração puro é estar realmente limpo: livre de culpa;
  •          Uma pessoa livre de culpa não é aquela que não erra, mas sim aquela que reconhece seu erro, se arrepende e tem em seu coração o desejo de não errar mais;
  •          Temos que zelar pela nossa paz interior, e procurar nos auto-examinar sempre que algum sentimento de acusação nos incomodar, e não ficarmos nos escondendo atrás da parede da hipocrisia fingindo para nós mesmos que está tudo bem;
  •          Ser limpo de coração também é cuidar de sua vida espiritual vigiando para não cair nas ciladas do inimigo, não se julgando superior aos irmãos que pareçam ser mais fracos [1ª Co 10:12 – Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia.].

Feliz é aquele que vive
pacificamente e promove a paz 

entre os que estão próximos à ele
2. Bem-aventurados os pacificadores (Mt 5:9)
  •          Segundo a Peshita[20], a expressão pacificadores, nesse texto, significa os que promovem a paz;
  •          Ser pacificador não é simplesmente desejar a paz, ser pacificador é fazer tudo o que for possível para que haja paz em todos os sentidos;
  •          Você é uma pessoa pacífica ou é daquelas que ajudam a “botar lenha na fogueira” quando surge um desentendimento na igreja, no trabalho, na família, na escola, na vizinhança, etc;
  •          Viver em paz é mais do que uma opção de vida, é cumprir o que ensina a Palavra de Deus [2ª Co 13:11 – Quanto ao mais, irmãos, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, sede de um mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz será convosco.].
Muitos cristãos ainda hoje são
perseguidos cruelmente por causa
da justiça pelo mundo a fora,
enquanto nós, que vivemos num
país livre, usamos nossa liberdade
para reclamar de banalidades que
apenas têm servido de escândalo
para o Evangelho de Cristo
3. Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça (Mt 5:10,11)
  •          Seguir os princípios ensinados por Jesus implica em viver contrariamente aos valores materialistas desse mundo presente;
  •          Ser injustiçado, perseguido ou até martirizado[21] em nome da obra do Senhor não é sinônimo de derrota e nem motivo de vergonha, isso é evidência de prosperidade espiritual e bem-aventurança eterna;
  •          E essa conclusão não é teoria humana ou tese teológica, mas sim ensinamento de Jesus;
  •          Os pregadores e os seguidores da Teologia da Prosperidade jamais aceitarão a perseguição e a martirização em nome do Evangelho como algo permitido por Deus;
  •           Se eles pudessem, rasgariam da Bíblia páginas como as que contém o versículo de Jo 16:33 que diz que no mundo teremos aflições e que, ainda assim, devemos ter bom ânimo;
  •          Os nossos maiores exemplos de fé foram duramente perseguidos e castigados pelos inimigos, mas nem por isso podem ser considerados como derrotados [Hb 11:36-38  – E outros experimentaram escárnios[22] e açoites, e até cadeias e prisões. 37Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados 38(Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra.].

Verdadeiramente bem-aventurado
á aquele que valoriza cada
oportunidade de sua vida para
agradecer, servir e adorar ao seu
Criador, Salvador e Consolador
Conclusão
·         Os pensamentos triunfalistas de alguns que se dizem evangélicos são totalmente contrariados dentro do contexto bíblico geral, incluindo as bem-aventuranças;
·         O que mais Jesus destacou nesse ensinamento foi o fato de que a prosperidade do homem não pode ser definida avaliando-se sua situação terrena, mas sim espiritual, ou seja: se ele encontrou a paz e a comunhão com Deus, ele alcançou a verdadeira prosperidade;
·         É importante ressaltar também que isso não significa que a riqueza material seja um pecado e que esteja proibida a nós. Pois o pecado não é ter dinheiro, o pecado é viver em função dele colocando-o em primeiro lugar em nossa vida;
·         Nunca devemos nos esquecer de que a prosperidade material não tem nenhum valor sem a prosperidade espiritual, mas a espiritual mantém o seu total valor sem a material;
·         Bem-aventurado também é aquele que prega de acordo com a vontade de Deus, sabendo respeitar a ética[23] e a liderança, conseguindo assim conquistar a atenção e a admiração daqueles que o ouve, assim como fez Jesus [Lc 4:20 – E, cerrando[24] o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga[25] estavam fitos[26] nele.].
Jonas Martins Olímpio


“A letra mata, mas o Espírito vivifica!”
Jesus não invalidou os mandamentos
expressos na letra da lei, Ele
simplesmente os cumpriu, resumindo-os
à prática do amor. Usufruir da
vivificação do Espírito não é recusar o
conhecimento da Palavra através do
estudo, como muitos fazem, e sim
buscá-lo com amor e sabedoria, não na
frieza da letra, mas sim na grandeza
do seu verdadeiro significado
[1]Exultar: Alegrar-se, regozijar-se.
[2]Galardão: Recompensa de serviços importantes. Glória, honra, prêmio.
[3]Letra: A expressão “letra” aqui está aplicada no mesmo sentido em que foi mencionada em 2ª Coríntios 3:6. Ali o apóstolo está se referindo aos dez mandamentos ou a lei como um todo, que foi dada a Israel com o propósito de provar o homem e revelar ser ele incapaz de seguir a lei. Com isso, ele quer dizer que a lei tem o papel de condenar apenas, e  não pode dar vida, ao contrário do Espírito que nos foi dado mediante a graça.
[4]O Sermão do Monte: É um longo discurso de Jesus Cristo que pode ser lido no Evangelho de São Mateus, mais precisamente do capítulo 4, versículo 23, ao capítulo 7. Nestes discursos, Jesus Cristo profere lições de conduta e moral, ditando os princípios que normatizam e orientam a verdadeira vida cristã, uma vida que conduz a humanidade ao Reino de Deus e que põe em prática a vontade de Deus, que leva à verdadeira libertação do homem. Estes discursos podem ser considerados por isso como um resumo dos ensinamentos de Jesus a respeito do Reino de Deus, do acesso ao Reino e da transformação que esse Reino produz.
[5]Discernimento: Ato de discernir, fazer distinção. Capacidade para diferenciar.
[6]Mitologia: Descrição geral dos mitos; mitismo. Estudo dos mitos. História dos mistérios, cerimônias e culto com que os pagãos reverenciavam os seus deuses e heróis.
[7]Ego: Experiência que o indivíduo possui de si mesmo, ou concepção que faz de sua personalidade.
[8]Soberba: Manifestação ridícula e arrogante de um orgulho às vezes ilegítimo. Altivez, arrogância, sobrançaria. Orgulho, presunção. Ao contrário de humildade.
[9]Cervo: Típico da família dos Cervídeos, que inclui espécies do hemisfério norte, como Cervus elaphus, que ocorre na Europa e na Ásia, Cervus canadensis, na América do Norte, e outras. No Brasil, onde não há espécie deste gênero, é uma designação popular do maior veado da nossa fauna (Blastocerus dichotomus), também chamado veado-galheiro.
[10]Bramar: Gritar, vociferar. Rogar, bradando em altas vozes.
[11]Emotivo: que ou quem provoca, tem ou revela emoção.
[12]Adversidade: Desgraça, infelicidade, infortúnio, sorte adversa. Contrariedade, contratempo, revés.
[13]Alheio: O que pertence a outra pessoa.
[14]Província: Divisão territorial posta sob a autoridade de um delegado do poder central (os atuais Estados do Brasil eram províncias ao tempo do Império).
[15]Fendido: Que se fendeu; rachado. Que tem fenda.
[16]Piegas: Sentimentalismo extremo, exagerado. Idolatria, fanatismo.
[17]Léxico: Dicionário de línguas clássicas antigas.
[18]Strong: James Strong (14 de agosto, 1822 – 07 de agosto de 1894) foi um americano Metodista estudioso bíblico e educador, e criador daConcordância de Strong .
[19]Imaculado: Sem mácula ou mancha. Limpo e puro. Inocente.
[20]Peshita: A palavra “Peshita” vem do siríaco p’shitá que significa “simples” ou “comum”, em hebraico temos uma expressão similar – P’shát – que tem o mesmo sentido. Este foi o nome dado a uma versão da Bíblia em língua aramaica-siríaca, com uma escrita de origem mesopotâmica mais próxima do árabe do que do hebraico quadrático. O Peshita é um tipo de “re-trabalho” do Antigo Siríaco (já citado), produzido por Rabbula, bispo de Edessa em 435 d.C., a obra possui todos os livros da Bíblia, exceto II Pedro, II João, III João, Judas e Apocalipse.
[21]Martirizado: Transformado em mártir (Pessoa que sofreu tormentos ou a morte pela fé. Pessoa que sofre por sustentar as suas crenças ou as suas opiniões. Pessoa que sofre muito. Pessoa que é vítima de maus tratos.).
[22]Escárnio: Zombaria, menosprezo.
[23]Ética: Conjunto de princípios morais que se devem observar; é o que indica as normas a que devem ajustar-se as relações entre os diversos membros da sociedade. Bom senso.
[24]Cerrar: Fechar.
[25]Sinagoga: Assembléia (reunião) dos fiéis que seguem os princípios da lei mosaica. Templo onde se reúnem os judeus para o exercício da sua religião.
[26]Fito: Cravado, fixo. Ereto, firme. Muito atento.

Estudo Bíblico baseado na Escola Bíblica Dominical da CPAD 
1º Trimestre de 2012 – Lição 6
Aula ministrada por mim na AD Belém – Setor 20 (Arujá/SP) – Pq. Rodrigo Barreto I

Jonas Martins Olímpio

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s