O Surgimento da Teologia da Prosperidade

Estudo Bíblico Baseado na Escola Bíblica Dominical da CPAD 
1º Trimestre de 2012 – Lição 1
Aula ministrada por mim na AD Belém – Setor 20 (Arujá/SP) – Pq. Rodrigo Barreto I
Jonas Martins Olímpio
Aonde você está
juntando os seus
maiores tesouros?
Texto Áureo
    Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim (Rm 9:20)?
Verdade Prática
    O pecado da Teologia da Prosperidade[1] consiste em sua anulação da soberania de Deus.
Leitura Bíblica em Classe
    Lucas 12:13-21 – 13E disse-lhe um da multidão: Mestre, dize a meu irmão que reparta comigo a herança. 14Mas ele lhe disse: Homem, quem me pôs a mim por juiz ou repartidor entre vós? 15E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui. 16E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido
com abundância; 17E ele arrazoava[2]consigo mesmo, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. 18E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; 19E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. 20Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? 21Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus. 
Você já parou pra pensar no que
a Bíblia realmente ensina sobre
prosperidade?
Introdução
  • ·         Nosso estudo será voltado em analisar a diferença entre a verdadeira prosperidade e a Teologia da Prosperidade;
  • ·         A Teologia da Prosperidade também é conhecida como Confissão Positiva;
  • ·         Essa prática representa uma grande ameaça ao verdadeiro Evangelho porque atrai as pessoas com grandes promessas de bênçãos, fazendo com que a simples pregação da Palavra sem grandes sinais de milagres pareça ser algo sem poder espiritual;
  • ·         Os fundamentos desses modismos espirituais não têm base bíblica, pois seus conceitos doutrinários são manipulados para agradar ao homem em suas necessidades;
  • ·         O fato de existirem tais erros infiltrados no meio do povo de Deus não significa que a prosperidade realmente não exista, porém ela não é simplesmente material e deve ser buscada conforme ensina a Palavra de Deus;
  • ·         Portanto, a prosperidade começa com a obediência à Palavra de Deus [Mt 6:33 – Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.].

O filósofo Platão dedicava-se
a buscar o conhecimento das
verdades essenciais que
determinam a realidade, mas,
não tendo o conhecimento de
Deus, induziu, e ainda induz,
 muitas pessoas a crenças
anti-bíblicas
I – Raízes da Teologia da Prosperidade
1. Gnosticismo
  • ·         Desde o seu princípio, a Igreja teve que lutar contra o gnosticismo: uma doutrina[3] que sempre representou uma grande ameaça à fé dos cristãos;
  • ·         O gnosticismo[4] é um ensino que já existia antes da era cristã, praticado na Síria, na Babilônia, no Egito e na Grécia;
  • ·         Essa crença ensina que a matéria é má e o espírito é bom;
  • ·         Essa filosofia platonista[5]levou seus seguidores a negarem a realidade da matéria, ou seja: eles acreditavam que o que acontecia com o corpo físico fosse uma simples conseqüência da fé;
  • ·         Como não criam que a matéria fosse algo real, então acreditavam que o sofrimento fosse uma simples ilusão da mente;
  • ·         Esse movimento religioso levou muitos a acreditarem que Cristo nunca tivesse vindo à terra como homem, pois Ele, sendo bom, não poderia habitar num corpo físico que seria mau;
  • ·         O apóstolo João combateu fortemente essa doutrina, advertindo-nos de que aquele que nega que Jesus veio em carne não é de Deus;
  • ·         Será que ensinamentos com características gnósticas ainda existem nos dias atuais? [1ª Tm 3:1-5 – Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos; 2porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos[6], presunçosos[7], soberbos[8], blasfemos[9], desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos[10], 3sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes[11], cruéis, sem amor para com os bons, 4traidores, obstinados[12], orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, 5tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.]

Entre suas múltiplas funções,
Quimby também foi
relojoeiro e inventor, e
possuía patentes de vários
dispositivos mecânicos
2. Crenças perigosas
  • ·         Embora muitas coisas tenham mudado com o passar do tempo, o ser humano continua, através da própria religião, se rebelando contra os mandamentos divinos;
  • ·         Nos últimos dois séculos, tem crescido assustadoramente o número de seguidores da ideologia de Phineas Parkhurst Quimby[13], o criador de uma espécie de doutrina chamada de Novo Pensamento;
  • ·         Ele estudou espiritismo[14], ocultismo[15], parapsicologia[16]e hipnose[17], e também era panteísta[18] e universalista[19];
  • ·         Quimby acreditava que o homem tivesse parte na divindade;
  • ·         Segundo ele, o pecado e as doenças existem apenas na mente das pessoas;
  • ·         Mary Baker Eddy[20]fundou a Ciência Cristã[21]após ter sido supostamente curada por ele;
  • ·         Pregadores do Evangelho fácil estão por toda parte, devemos ter cuidado para não sermos enganados [Cl 2:8 – Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo;].

Esse é um dos muitos
livros de Hagin;
cuidado, ele é muito
influente no meio
pentecostal
3. Confissão Positiva
  • ·         A Confissão Positiva é uma mistura das idéias do Novo Pensamento com a Ciência Cristã;
  • ·         A ligação dessas crenças com a fé em Deus partiu do E. W. Kenyon[22] e foi posteriormente seguida por Kenneth E. Hagin[23];
  • ·         Ambos foram contaminados com os ensinos da Ciência Cristã;
  • ·         Influenciado pelos ensinamentos de Kenyon, Hagin fundou seu ministério aonde pregava prosperidade através da Confissão Positiva;
  • ·         Ele ensinava que os cristãos não poderiam sofrer e nem ficar doentes, mas que deveriam ser prósperos e saudáveis através da fé;
  • ·         Esse tipo de doutrina tem arrastado milhões de crentes interesseiros de todas as partes do mundo, apenas preocupados em prosperidade material e bem-estar físico;
  • ·         A Palavra tem sido manipulada de forma que somente se enfatize trechos que estimulem o ouvinte a crer que tem o direito de determinar aquilo que quiser, pois Deus tem a obrigação de cumprir seus desejos;
  • ·         Algumas das coisas que mais vemos nos dias atuais são líderes religiosos e pregadores dizendo: “Você pode conquistar!”, Profetize[24]a bênção!”, “Faça um sacrifício[25]para ser restituído!”, “Crente não conhece derrota!”, e dificilmente se houve alguém dizer que é necessário fazer a vontade de Deus e buscar primeiramente as bênçãos espirituais.
  • ·         Determinar ou profetizar por vontade própria são atitudes que não provém do Espírito Santo de Deus [2ª Pe 1:21 – porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.].

Como o homem pode ser um deus
se ele não é capaz de se sacrificar
e nem de dar um filho seu em
sacrifício pela humanidade?
II – Principais ensinamentos da Teologia da Prosperidade
1. Divinização do homem
  • ·         A doutrina dos pequenos deuses surgiu de um erro de interpretação  dos teólogos da prosperidade no texto de Salmos 82:6 onde está escrito o seguinte: Eu disse: Vós sois deuses, e todos vós filhos do Altíssimo., porém, essa passagem que também foi citada por Jesus em João 10:34 em resposta aos judeus que queriam apedrejá-lo sob a acusação de blasfêmia[26] por Ele dizer que Ele o Pai são um, significa simplesmente que os servos do Senhor aqui na terra podem figuradamente ser chamados de deuses pelo fato de estarem representando a Deus como embaixadores[27] espirituais através de suas obras e palavras, e não que sejam capacitados para decidir e determinar por si próprios aquilo que desejam que aconteça;
  • ·          Um pregador triunfalista[28] chamado Kenneth Kopeland[29] disse o seguinte: “Cachorros geram cachorros, gatos geram gatos e Deus gera deuses”;
  • ·         Esse tipo de ideologia tem o objetivo de colocar o homem a um nível de comando no qual Deus simplesmente tem a função de por em execução as suas ordens, ou seja: é heresia[30]pura;
  • ·         Porém, sabemos muito bem que a estrutura física do homem é o pó da terra, o que significa que ele é extremamente frágil assim com o vaso que é feito do mesmo material e que depende do oleiro[31]para existir e para ser remodelado quando está quebrado;
  • ·         A Bíblia nos ensina que sem Deus não somos capazes de nada, nem mesmo de pensar. [2ª Co 3:5 – não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus,].

Nossa vitória foi conquistada por
Jesus Cristo na cruz do calvário,
e Satanás não tem nenhum
mérito nisso
2. Demonização da salvação
  • ·         Esse tipo de ensinamento chega ao cúmulo de dizer que quando Jesus Cristo morreu na cruz, teve assumiu a natureza de Satanás e teve que nascer novamente no inferno para conquistar a salvação;
  • ·         Dessa forma, eles colocam o Diabo como co-autor da salvação;
  • ·         Sendo assim, a consumação da salvação pela graça não teria acontecido na cruz, mas sim depois que Ele voltou do inferno após ter derrotado Satanás;
  • ·         Hagin declarava ainda que a frase “Está consumado!”significaria apenas o fim da Antiga Aliança[32], nada mais do que isso;
  • ·         Será que o maligno espírito das trevas é um dos responsáveis pela nossa salvação?
  •       Muitos, cegados pela cobiça e pela ganância, confiam tanto em seu próprio conhecimento que parecem não se preocupar com o castigo divino [Pr 3:5,7 – Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes[33] no teu próprio entendimento. 7Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal.].

Se crente não pode sofrer, os
os personagens bíblicos que
enfrentaram várias
perseguições e até morreram
em nome do Evangelho,
estavam a serviço de quem
então?
3. Negação do sofrimento
  • ·         O principal tema das pregações da Teologia da Prosperidade é que os crentes não podem sofrer, porque todos os sofrimentos foram levados na cruz, e que qualquer problema na vida de uma pessoa é ação demoníaca;
  • ·         A Ciência Cristã, assim como qualquer outro segmento[34] dessa linha de pensamento, não admite qualquer tipo de sofrimento de maneira alguma;
  • ·         Entretanto, as Sagradas Escrituras nos mostram que no mundo teremos aflições, e que os mais espirituais homens de Deus sofreram, tiveram enfermidades, foram perseguidos e até morreram de formas cruéis mesmo sendo crentes verdadeiramente fiéis, como por exemplo: Jó, Eliseu, Paulo e Estevão, entre muitos outros;
  • ·         Será que esses valorosos servos de Deus estavam em pecado? Será que somos melhores do que eles a ponto de não devermos aceitar nenhum tipo de sofrimento [2ª Tm 4:5 –Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério.]?

Para muitas pessoas, fazer a obra
de Deus é um mero investimento
que se não der certo é só desistir
e partir para outro negócio mais
lucrativo
III – Conseqüências da Teologia da Prosperidade
1. Profissionalismo ministerial e espiritualidade mercantil[35]
  • ·         De um modo quase generalizado, temos visto as graves conseqüências desses ensinamentos em muitos púlpitos pelo mundo a fora;
  • ·         Biblicamente, os ministérios[36]são dons distribuídos pelo Espírito Santo, mas, em muitos lugares, cargos de obreiros têm sido distribuídos de acordo com os interesses de lucros de alguns líderes religiosos;
  • ·         Em algumas denominações, os pastores são vistos como habilidosos apresentadores de TV, homens de negócios bem sucedidos, animadores de palco bastante carismáticos[37]e eloqüentes[38]e compreensivos psicólogos liberais que interpretam a Bíblia de um modo que não venha a ofender os seus “clientes”;
  • ·         Pregar contra o pecado está fora de moda porque isso não gera lucros, o negócio é exorcizar os espíritos malignos que entram na vida das pessoas e que as impedem de prosperar;
  • ·         Muitas igrejas mais parecem ser verdadeiras empresas;
  • ·         Nessa inversão de valores, o que eles chamam de adoradores, são, na verdade, consumidores;
  • ·         Muitos líderes, antes de abrirem um lugar de congregação ou de construírem um templo, estão analisando se o local escolhido é financeiramente viável;
  • ·         Realmente devemos ser organizados e planejar cuidadosamente tudo o que fazemos, porém não podemos nos esquecer que a direção de todos os trabalhos pertence ao Espírito Santo de Deus [Sl 37:23 – Os passos de um homem bom são confirmados pelo Senhor, e ele deleita-se no seu caminho.].

A pessoa sem Deus super
valoriza os prazeres
passageiros sem se preocupar
com o futuro de sua alma
2. Narcisismo e hedonismo
  • ·         O narcisismo[39] e o hedonismo[40] têm tomado cada vez mais espaço no meio evangélico;
  • ·         Esse tipo de pessoas tende a pensar apenas em si próprios, como se a vida se resumisse apenas nesse período em que estamos na terra;
  • ·         Os que vivem e pregam essa doutrina estão se destruindo e destruindo aqueles que os seguem;
  • ·         Os prazeres dessa vida são passageiros, embora possamos tê-los, devemos entender que nosso objetivo maior é o prazer eterno, e é por ele que temos que lutar mais perseverantemente;
  • ·         Para pedir algo a Deus é necessário sinceridade e pureza no coração e não egoísmo e o pensamento voltado apenas para os seus próprios interesses [Tg 3:14-17 – Mas, se tendes amarga inveja e sentimento faccioso[41]em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. 15Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. 16Porque, onde há inveja e espírito faccioso, aí há perturbação e toda obra perversa. 17Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia.].

O que determina a nossa vitória,
o sacrifício ou a obediência?
3. Modismos e perda de ideais
  • ·         O meio evangélico sempre é surpreendido por vários tipos de modismos, como por exemplo: há décadas atrás surgiu o “cair no Espírito”, a “unção do riso”, o “aviãozinho” e a técnica psicológica dos pregadores de fazer o povo repetir frases de efeito. Atualmente, têm surgido outras coisas como votos absurdos, campanhas com nomes estranhos, shows gospel com produção de altíssimo nível e igrejas que defendem o homossexualismo, o aborto, a imoralidade sexual e a banalidade do mundanismo;
  • ·         Muitos cristãos estão perdendo o foco do verdadeiro cristianismo, precisamos voltar a ser protestantes;
  • ·         Onde há luz não pode haver trevas, mas parece que os santos não estão mais incomodando os ímpios;
  • ·         A maioria que servir o Deus de já, e não o Deus Jeová;
  • ·         A Escatologia[42]tem sido deixada de lado, porque a maior preocupação é com o bem-estar atual;
  • ·         O problema que mais enfrentamos nos dias de hoje é o conformismo com o pecado que está cada vez mais presente em nosso meio [2ª Co 6:16-18 – E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. 17Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei; 18e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-poderoso.].

Não reclame do tamanho da sua
cruz, agradeça ao Senhor por te
dar forças para carregá-la
Conclusão
  • ·         Realmente a Bíblia ensina sobre prosperidade, mas o que mais tem sido pregado por aí são terríveis exageros  que dão ao homem mais direitos do que ele verdadeiramente tem;
  • ·         É necessário termos muito cuidado para não sermos seduzidos por tantas promessas que nos rodeiam;
  • ·         A prosperidade material existe de fato, mas devemos entender que nem todos a alcançam, e para alcançá-la não é preciso seguir as regras inventadas por homens famintos pelo sucesso, mas sim viver uma vida de obediência a Deus;
  • ·         Fazer o bem nem sempre vai resultar em prosperidade material, porém devemos fazer sempre a vontade de Deus mesmo que o seu propósito possa proporcionar algum tipo de desconforto em nossa vida terrena [1ª Pe 3:17 – porque melhor é que padeçais fazendo o bem (se a vontade de Deus assim o quer) do que fazendo o mal.].


O universalismo representa
uma grande ameaça à
autêntica identidade cristã
porque prega que todos os
caminhos levam a Deus e
considera os seus opositores
como preconceituosos
[1]Teologia da Prosperidade: Uma teologia centrada na saúde e na prosperidade material, não na salvação em Jesus Cristo.
[2]Arrazoar: Argumentar expondo a sua razão.
[3]Doutrina: Conjunto de princípios em que se baseia um sistema religioso, político ou filosófico.
[4]Gnosticismo: Movimento sincretista (com várias misturas) religioso-filosófico da Antiguidade que pretendia salvar o homem por um conhecimento especial. Penetrando o cristianismo, absorveu várias de suas doutrinas, rejeitando outras. Constituiu aí diversas seitas heréticas, que representaram séria ameaça à ortodoxia nos séculos II e III.
[5]Platonismo: Filosofia de Platão, filósofo grego (428 ou 427-348 ou 347 a. C.). Caráter ou qualidade do que é platônico.
[6]Avarento: Que tem avareza. Que não dá; parco. Que guarda ciosamente; ciumento, zeloso. Mesquinho, miserável. Estéril, sáfaro. Indivíduo sordidamente apegado ao dinheiro; sovina, harpagão.
[7]Presunçoso: Que tem presunção; presumido, vaidoso.
[8]Soberbo: Que é mais alto que outro. Que está mais elevado que outro. Desvanecido, presunçoso, vaidoso. Arrogante, orgulhoso, soberbaço.
[9]Blasfemo: Aquele que diz blasfêmias (Palavra ofensiva à divindade ou à religião. Contra-senso, heresia. Praga, maldição, imprecação.).
[10]Profano: Que não é sagrado ou devotado a fins sagrados. Não consagrado. Estranho à religião; que não trata de religião: História profana; literatura profana. Estranho ou contrário à religião cristã. Contrário ao respeito devido à religião.
[11]Incontinente: Que não tem continência. Imoderado. Pessoa imoderada nos apetites sexuais.
[12]Obstinado: Que se obstina.  Firme, pertinaz, teimoso. Inflexível. Feito com insistência, com pertinácia.
[13]Phineas Parkhurst Quimby: Foi o pioneiro das idéias teológicas que deram origem ao Movimento do Novo Pensamento e, de acordo com alguns, desaprovava as idéias dos aderentes do movimento — a Ciência Cristã. Quimby desenvolveu algumas idéias sobre a habilidade das pessoas de curar suas enfermidades por meio da força de suas mentes. Esta crença em cura derivava da teologia de um Deus amoroso e de uma realidade espiritual mais densa e profunda, mais real que o nosso mundo. Começou a ensinar sua visão para os outros; Mary Baker Eddy, que mais tarde fundou a Ciência Cristã, estudou com ele por um tempo, assim como outros que foram, mais tarde, inspirar o Movimento do Novo Pensamento.
[14]Espiritismo: Doutrina (e prática) segundo a qual os espíritos dos mortos podem entrar em contato com os vivos, principalmente pela ação dos médiuns, e manifestar-se por toques, movimentos de objetos e certas formações materiais (ectoplasmas). Culto religioso fundado nessa doutrina e prática. Baixo espiritismo: práticas do espiritismo com fins de feitiçaria.
[15]Ocultismo: Estudo das coisas e fenômenos para os quais as leis naturais ainda não deram explicação. Conjunto de sistemas filosóficos e artes misteriosas baseadas em conhecimentos secretos.
[16]Parapsicologia: Estudo de certos fenômenos psíquicos de natureza especial e ditos ocultos (telepatia, previsão etc.); metapsíquica.
[17]Hipnose: Estado semelhante ao sono, induzido pelas sugestões do hipnotizador.
[18]Panteísmo: Sistema filosófico que identifica Deus com o mundo. Adoração da natureza, vendo Deus em tudo quanto existe.
[19]Universalismo: Universalidade. Tendência para a universalização de uma idéia ou obra. Cosmopolitismo. Doutrina que admite, como critério da verdade, o consenso universal.
[20]Mary Baker Eddy: Criadora da Ciência Cristã em 1866. Autora do livro-texto deste movimento religioso, intitulado Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, fundou A Primeira Igreja de Cristo, Cientista, em Boston, Estados Unidos. Criou e foi a presidente da Faculdade de Metafísica de Massachusetts. Dedicou mais de 40 anos ao estabelecimento da Ciência Cristã, consolidando a reconhecida posição como pensadora religiosa e fundadora de um movimento religioso de alcance global e que está alicerçado na simplicidade do Cristo, seu poder divino atemporal e na Cura Cristã, aberta e acessível, prática e aplicável a todas as circunstâncias do cotidiano humano.
[21]Ciência Cristã: Foi o nome escolhido por Mary Baker Eddy para a religião por ela criada em 1866 na cidade de Boston,Massachusetts (Estados Unidos). A Ciência Cristã prega a cura cristã, ou cura divina, como sendo o cumprimento natural da promessa feita por Jesus – um modo de vivenciar a salvação atual, completa e universal, que viria pela graça divina, este faz parte do idealismo e da teologia da Ciência Cristã. O nome oficial da igreja da Ciência Cristã é: Igreja de Cristo, Cientista, cuja sede está em Boston, e é conhecida, pelos Cientistas Cristãos, como a Igreja-Mãe.
[22]E. W. Kenyon: Essek William Kenyon (nascido em 24 de abril de 1867, falecido em 19 de março de 1948) foi um pastor norte americano da Igreja Batista Nova Aliança, evangelista e escritor. Seus livros tiveram grande influência sobre Kenneth E. Hagin, fundador do Movimento Palavra de Fé, sendo uma inspiração ideológica para o referido Movimento que culminou nas evoluções filosóficas dos Neo Pentecostais. Ainda nos tempos modernos seus livros e idéias são muito difundidas fora do movimento pentecostal. Kenyon teria sido o primeiro autor a publicar sobre o que se tornou a Teologia da Prosperidade.
[23]Kenneth E. Hagin: Kenneth Erwin Hagin (McKinney, 20 de agosto de 1917  Tulsa, 19 de setembro de 2003), é considerado o pai do Movimento Palavra de Fé. Foi um dos primeiros pastores protestantes a escrever sobre as filosofias que se tornaram o fundamento do movimento carismático, e um dos primeiros autores a pregar sobre a Teologia da Fé, escrevendo O Toque de Midas. É considerado um escritor de heresias, apesar de seus livros serem muito respeitados por alguns pentecostais.
[24]Profetizar: Proferir profecias; predizer, prenunciar, vaticinar o futuro. Falar em nome de outra pessoa.
[25]Sacrifício: Oferenda de animal, produto da colheita ou de qualquer coisa de valor, feita a uma divindade para lhe tributar homenagens, ou para reconhecimento do seu poder, ou ainda para lhe aplacar a cólera. A pessoa ou coisa sacrificada. Renúncia voluntária a um bem ou a um direito. Ato de abnegação, inspirado por um veemente sentimento de amizade ou de amor. Privação, voluntária ou involuntária, de uma coisa digna de apreço e estima.
[26]Blasfêmia: Palavra ofensiva à divindade ou à religião. Contra-senso, heresia. Praga, maldição, imprecação.
[27]Embaixador: Graduação mais elevada de representante de um governo ou Es­tado, junto de outro Estado ou governo. Emissário. Pessoa encarregada de missão pública ou particular.
[28]Triunfalista: Pessoa adepta ao triunfalismo. Atitude de quem não percebe ou não admite possibilidade de falha naquilo que ela defende ou acredita.
[29]Kenneth Kopeland: Nascido em 6 de dezembro de 1936 em Lubbock, Texas é um escritor americano, orador, tele-evangelista, proponente do Word of Faith (Palavra da Fé), bem como o fundador da organização cristã Kenneth Copeland Ministeries.
[30]Heresia: Doutrina que se opõe aos dogmas da Igreja. Absurdo, contra-senso, disparate. Ato ou palavra ofensiva à religião.
[31]Oleiro: Quem trabalha ou é dono de olaria (Fábrica de louça de barro, vasos, manilhas, telhas e tijolos).
[32]Antiga Aliança: Antigo testamento, Antigo Pacto.
[33]Estribar: Firmar no estribo: Estribar o pé. Firmar os pés nos estribos, segurar-se nos estribos. Apoiar, basear, fundamentar, confiar.
[34]Segmento: Parte, porção, seção de um todo.
[35]Mercantil: Que se refere a mercadores ou a mercadorias. Que pratica o comércio.
[36]Ministério: Cargo ou ofício de Ministro (Conselheiro; auxiliar; empregado). Desempenho de um serviço. Exercício de um serviço religioso especial, como o dos levitas, sacerdotes, profetas e apóstolos. Arte de ministrar.
[37]Carismático: Aquele que tem carisma (graça, simpatia).
[38]Eloqüente: Aquele que tem eloqüência (Grande capacidade para falar).
[39]Narcisismo: Pessoa que se valoriza demais e se acha superior e merecedora de tudo.
[40]Hedonismo: Doutrina ética, ensinada por antigos epicureus e cirenaicos (Epícuro e Aristipo de Cirene são dois filósofos gregos) e por modernos utilitaristas, que afirma constituir o prazer, só ou principalmente, a felicidade da vida.
[41]Faccioso: Parcial. Sedicioso. Perturbador da ordem.
[42]Escatologia:Doutrina do destino último do homem (morte, ressurreição, juízo final) e do mundo (estado futuro). Estudo sobre as últimas coisas.

Estudo Bíblico Baseado na Escola Bíblica Dominical da CPAD 
1º Trimestre de 2012 – Lição 1
Aula ministrada por mim na AD Belém – Setor 20 (Arujá/SP) – Pq. Rodrigo Barreto I
Jonas Martins Olímpio

2 thoughts on “O Surgimento da Teologia da Prosperidade

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s