O que é consagração e jejum?

É em vão se abster de comida 
se não estiver alimentado 
espiritualmente

    Se consagrar nada mais é do que se separar de uma forma especial para adorar ou servir a Deus sem se envolver com mais nada, seja material ou pessoal, durante aquele período; e jejuar é uma das formas mais comuns para os servos de Deus se consagrarem. Embora estejamos no Tempo da Graça[1], e os sacrifícios[2] tenham sido abolidos depois do sacrifício de Cristo, sabemos que Jeová ainda recebe alguns tipos de sacrifícios de seus servos, desde que eles sejam oferecidos com sinceridade. E um desses sacrifícios que Ele ainda recebe é o jejum. Mas o que é jejuar? A palavra jejum significa privar-se de alimentos durante algum período; portanto, jejuar é o ato de não se alimentar durante algum tempo e, durante esse período, dedicar-se totalmente ao Senhor. O jejum vai além da abstinência[3] alimentar, é necessário desviar-se de tudo aquilo que possa interferir em sua comunhão com Deus. Só que é de extrema importância nos lembrarmos de uma coisa: o jejum, assim como tudo o que fazemos, tem que ser feito com muito cuidado, equilíbrio e apenas dentro de nossas possibilidades; pois a falta de sabedoria de muitos irmãos tem causado muitos problemas
para eles próprios, principalmente na área da saúde e também conflitos em família, e trazido até escândalos à igreja. Antes de jejuar é necessário examinarmos nossas condições físicas, psicológicas e espirituais; estabelecermos um período tendo a consciência de que não devemos interrompê-lo antes da hora e nem precisamos ir além do que foi estabelecido; e, principalmente, é de grande importância termos um firme propósito para esse ato, ou seja, um objetivo a ser alcançado com esse jejum.

Sacrifícios têm limites: Deus não
quer que nos flagelemos; não
importa qual seja o nosso
propósito, Ele não aceita
sacrifícios de tolo!

    Em Isaías 58:3-10 está escrito o seguinte: 3dizendo: Por que jejuamos nós, e tu não atentas para isso? Por que afligimos a nossa alma, e tu o não sabes? Eis que, no dia em que jejuais, achais o vosso próprio contentamento e requereis todo o vosso trabalho. 4Eis que, para contendas e debates, jejuais e para dardes punhadas impiamente; não jejueis como hoje, para fazer ouvir a vossa voz no alto. 5Seria este o jejum que eu escolheria: que o homem um dia aflija[4] a sua alma, que incline a cabeça como o junco[5] e estenda debaixo de si pano de saco grosseiro e cinza? Chamarias tu a isso jejum e dia aprazível ao Senhor? 6Porventura, não é este o jejum que escolhi: que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo, e que deixes livres os quebrantados, e que despedaces todo o jugo? 7Porventura, não é também que repartas o teu pão com o faminto e recolhas em casa os pobres desterrados[6]? E, vendo o nu, o cubras e não te escondas daquele que é da tua carne? 8Então, romperá a tua luz como a alva[7], e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante da tua face, e a glória do Senhor será a tua retaguarda. 9Então, clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás, e ele dirá: Eis-me aqui; acontecerá isso se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo e o falar vaidade; 10e, se abrires a tua alma ao faminto e fartares a alma aflita, então, a tua luz nascerá nas trevas, e a tua escuridão será como o meio-dia. O povo andava em extrema rebeldia e jejuava pensando que o simples ato do sacrifício seria o suficiente para que eles fossem perdoados e abençoados. Grandemente indignado com isso, Deus usou o profeta Isaías para corrigi-los, não com a intenção de condená-los, mas sim de mostrar-lhes que para agradar a Deus somente o ritual[8] não basta, é necessário agir retamente e ter um coração sincero. Vamos então meditar nessa passagem, e ver quanto ela tem a ver com a nossa situação hoje: 

De nada adianta fechar a boca
se não abrir o coração para
Deus

Is 58:3Quais são nossas intenções quando oferecemos algo a Deus (Tg 4:2,3[9] [10])? 
Is 58:4O jejum tem que ser feito com humildade e não para nos auto-gloriarmos diante dos homens (Mt 6:16-18[11]); 
Is 58:5Muitos se preocupam apenas com as tradições dos rituais e não com a sinceridade do coração (Lc 18:10-14[12] [13]); 
Is 58:6Todo sacrifício deve ser perfeito, como está a nossa vida diante de Deus (Jo 9:31)? 
Is 58:7Como temos agido diante daqueles que precisam de nós (At 10:1-4[14] [15] [16] [17] [18])? 
Is 58:8aqueles que praticam a misericórdia também receberão a misericórdia de Deus (Mt 5:7); 
Is 58:9Deus só ouve o clamor dos que praticam a justiça (Sl 34:6-8); 
Is 58:10A obediência vale mais do que qualquer sacrifício (1ª Sm 15:22[19]).

Jejum é abstinência de
alimento físico e
consagração é
santificação; jejuar sem
consagrar a vida diante
do Senhor é tempo
perdido

    Meditando nesse texto podemos concluir que aprendemos a seguinte lição: O segredo para nossos pedidos serem atendidos é a sinceridade e não somente a forma como pedimos; Deus se agrada dos humildes e abate os soberbos; apenas cumprir as regras não é o suficiente se não houver santificação; antes de tocar nas coisas sagradas o homem tem que examinar a si mesmo; não podemos dizer que amamos a Deus se não amamos ao próximo; quando somos benignos, Deus nem espera pelos nossos sacrifícios para nos abençoar; muitas coisas que acontecem em nossa vida são o resultado daquilo que fazemos; se queremos receber o bem, também devemos praticar o bem. Portanto, aprendemos aqui que o jejum é bom e agradável ao Senhor, desde que seja feito com humildade, sinceridade e acompanhado de boas atitudes e não com meros rituais apenas de aparência. Mais vale uma “oraçãozinha” de três minutos ou menos feita de coração do que um jejum de três dias ou mais com segundas intenções. Oremos para que Deus nos mostre se estamos fazendo realmente a sua vontade para que não percamos tempo fazendo sacrifícios de tolo!




[1]Tempo da Graça: Graça significa favor imerecido. A expressão “Tempo da Graça” se refere a era iniciada após a crucificação e a ressurreição de Jesus Cristo, o qual através desse sacrifício nos tirou do jugo da lei dando-nos acesso direto a Deus, pois antes disso Jeová somente se comunicava com o homem através dos profetas e apenas recebia sacrifícios apresentados pelos sacerdotes (Rm 6:15).
[2]Sacrifício: Renúncia voluntária a um bem ou a um direito. Sofrimento.
[3]Abster: Privar-se, controlar-se, não exercer um direito, deixar de fazer algo.
[4]Afligir: Angustiar, causar aflição, mortificar, assolar, desolar, devastar.
[5]Junco: Espécie de planta direita, fina e longa que cresce em lugares úmidos e dentro da água (Jó 8.11). As suas folhas são usadas para fazer cestos e esteiras.
[6]Desterrado: Banido da pátria. Exilado.
[7]Alva: A primeira luz alva e clara que aparece no horizonte entre a escuridão da noite e a aurora; alvor, alvorada.
[8]Ritual: Procedimento das cerimônias de uma religião.  Cerimonial. Conjunto das regras a cumprir durante um culto ou uma reunião. Etiqueta, praxe, protocolo.
[9]Cobiça: Desejo veemente de conseguir alguma coisa. Ânsia ou ambição de honras ou riquezas. Avidez. Concupiscência.
[10]Deleite: Prazer, delícia, gosto.
[11]Contristado: Entristecido.
[12]Fariseus: [Hebr.] Separados. Judeus devotos ao Pentateuco. Participavam das reuniões legislativas da sinagoga. Formavam um grupo de fanáticos e hipócritas (o que não era o caso de todos, pois haviam exceções, como era o caso de Gamaliel que defendeu os apóstolos que estavam presos por pregarem a Palavra (At 5:34-38)) que se opuseram duramente contra Jesus Cristo. Segundo a história, nessa época, eles eram aproximadamente 6 mil pessoas.
[13]Publicano: Cobrador de impostos do governo romano. Termo pejorativo que define um homem que negocia desonestamente.
[14]Cesaréia: [Latim: Caesarea Philippi]. Cidade localizada na atual região de Banias. Ali foi construído no ano 20a.C. pelo rei Herodes, o grande, um templo branco de mármore aos pés do Monte Hermom em homenagem a César Augusto. Quando Herodes morreu, seu filho Herodes Filipe a ampliou e a chamou de Cesaréia Filipe.
[15]Cornélio: Centurião romano que morava em Cesaréia (At 10:1-48).
[16]Centurião: Chefe de uma centúria (grupo de cem homens) na milícia romana.
[17]Coorte: Grupo de seiscentos soldados romanos, divididos em seis centúrias, cada qual comandada por um Centurião (At 27.1).
[18]Hora nona: Três horas da tarde. Os judeus adotaram o sistema de contagem de tempos romano que considerava como a primeira hora do dia o que para nós é hoje sete horas da manhã.
[19]Holocausto: [Grego: queimado]. Sacrifício em que a vítima era consumida pelo fogo.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s